Sempre que viajo para algum sítio com o Jorge, o meu namorado, e como temos gostos bastante diferentes – eu prefiro museus e arquitectura e ele gosta mais de futebol e de fazer tudo mais devagar – geralmente dividimos o tempo ao meio, de modo que os dois possamos ver coisas que nos interessam. A última vez que tinha ido a Londres tinha sido há 12 anos e eu achei que já era tempo de voltar e assim ele poderia conhecer esta cidade fabulosa. Ficámos em casa de duas amigas portuguesas que lá vivem. O que fizemos?

Meio Dia: Chegámos a meio da tarde e tínhamos de fazer tempo para as nossas amigas saírem do trabalho e chegarem a casa. Apanhámos o metro de Heathrow para Picadilly Circus (que tinha os ecrãs todos apagados…). Daí caminhámos até à Trafalgar Square e depois até ao Big Ben onde apanhámos o metro para casa. Estávamos a morrer de frio (Fevereiro) e chovia…

Dia 1 (do Jorge): Saímos de Oval para Chelsea para visitar o estádio. O metro teve alguns problemas e tivemos de caminhar as últimas estações, atravessando o bairro a pé, o que foi das melhores coisas da viagem! Estava sol e as casinhas todas em fila são lindíssimas! Do estádio caminhámos até ao Museu de História Natural, atravessando outros bairros espectaculares (Londres é um paraíso para fotógrafos!)! Estivemos no museu mais de três horas e o edifício antigo estava fechado para restauro 🙁 Apesar de já estarmos exaustos ainda fomos até ao Royal Albert Hall e ao Albert Memorial mesmo em frente. Ficámos um pouco no Hyde Park até os guardas nos pedirem para sair que o parque ia fechar.

Dia 2 (Meu): Decidimos ir a pé desde casa até ao Big Ben (cerca de 40min). O plano para o dia era fazer todo o South Bank (margem sul) até à Tower Bridge, à excepção de uma parte em que cruzávamos porque eu queria visitar Covent Garden. Estava muito emocionada com a ideia porque a primeira vez que lá estive, com a minha mãe e irmã, estava lá uma banda e puseram-me a tocar contrabaixo, foi tão divertido! No caminho ainda tivemos a oportunidade de ver o render da guarda a cavalo na rua Whitehall. Estávamos a congelar, cheios de fome e um pouco cansados e apesar de termos levado uns tortellini para comer a meio do dia decidimos entrar nalgum lugar para aquecer e sentar-nos um pouco. Encontrámos a Pret-a-Manger, uma cadeia de restaurantes que existe por toda a cidade, com preços bastante acessíveis. O Jorge adorou, nem se queria ir embora. Fomos então até à Somerset House e descobrimos que lá há sítios com mesas e sofás onde pessoas comiam dos seus Tupperwares… por isso esta também é uma opção, caso estejam a congelar e precisarem de sentar-se um pouco! Atravessámos novamente o Tamisa para a margem sul e as minhas amigas, uma delas também arquitecta, disse-me que eu tinha de entrar no National Theater. E assim o fizemos, mas enquanto eu estava entretida a fotografar o edifício, o Jorge reparou que o Denzel Washington ia dar uma conferência na mesma tarde… então comprámos os bilhetes para o ver, uma vez que é um dos actores preferidos do Jorge. Ainda tínhamos algumas horas antes da conferência por isso continuámos a caminhar até ao Tate Modern, para ver a extensão do museu pelos Herzog & de Meuron, para subir ao piso panorâmico (grátis) e para atravessar a Millenium Bridge. Regressámos então ao teatro para ver o Denzel (podem ouvir a conferência aqui) e depois, como uma das nossas amigas trabalha num pub (Prince of Wales, vão lá e digam olá!) acabámos lá o dia, a beber algumas cervejas locais e a descansar de um longo dia, sempre a andar!

Dia 3 (dos dois): De manhã eu queria ir até Notting Hill fazer a Portobello Road e assim o fizemos. O céu estava cinzento, fazia frio e não havia muita gente nas ruas, o que nos aborreceu um pouco e decidimos apanhar o metro para a City. Ainda convenci o Jorge a sair umas estações antes para ver a Saint Paul’s Cathedral e andar um pouco. Almoçámos novamente no Pret-a-Manger e depois fomos até à London Bridge apenas para ver a Tower Bridge de mais perto. Andámos até ao Leadenhall Market, uma pérola escondida entre os arranha-céus, com vários locais para comer e fazer compras. Como não estávamos longe decidimos ir até ao Gherkin, que felizmente o Jorge também gostou! A última coisa que fizemos, já vencidos pelo frio, foi ir até Liverpool Street Station para apanhar o metro para Arsenal para o Jorge ver o estádio. Eu ainda o queria levar a Kings Cross para ver a  Plataforma 9 e 3/4 mas estávamos demasiado cansados. O dia acabou da melhor maneira com um jantar mexicano preparado por nós para as nossas amigas! Na madrugada seguinte tínhamos voo para Frankfurt.