A minha tia fez anos a 5 de Março e a partir de dia 1 foi-me dado o direito a levar acompanhantes de serviço, ou seja, levar alguém comigo nas estadias. Achei que não haveria melhor presente que oferecer-lhe uma viagem à escolha! Quando saiu o meu planeamento de Abril ela escolheu a estadia de Estocolmo, de 29 de Abril à noite a 1 de Maio de madrugada.

Mais tarde, quando procurávamos coisas para fazer no dia 30, único dia que teríamos na cidade, descobrimos não só que era o aniversário do rei da Suécia, e consequentemente haveria paradas e festa pelo palácio real, como também se celebraria o início da primavera, no Skansen, um evento a que eles chamam de noite Walpurgis, onde acendem uma grande fogueira e cantam!

Começámos então o dia com uma caminhada ao longo do lago desde o hotel até à Câmara Municipal, edifício de tijolo com uma alta torre onde se vêm três coroas douradas, emblema nacional da Suécia. É aqui que se realiza o banquete após a entrega dos prémios Nobel. Tive a oportunidade de visitar o interior da primeira vez que visitei a Suécia, em 2007, de enorme interesse! Infelizmente como o tempo era curto, decidimos continuar o passeio até ao Parque Kungsträdgården, onde sabíamos que se encontravam cerejeiras em flor. Estas já não estavam de um rosa brilhante, mas na ponta oposta do parque tinha uma variada exibição de tulipas que valeu o “desvio”.

Cruzámos a ponte para Gamla Stan, onde se encontra o Palácio Real e começámos a ouvir música. A banda filarmónica guiou-nos até à Praça das Paradas, onde tocavam música sueca, incluindo Abba. Com a quantidade de gente que ali se encontrava era difícil ver alguma coisa e quando estávamos quase a desistir e continuar caminho, saiu o rei para jubilo de todos!

Faltava ver as belíssimas ruas desta ilha, cujas cores o sol punha ainda mais vibrantes! A minha tia entrou na catedral, onde se encontra uma escultura de São Jorge a matar o dragão – depois encontrámos exactamente a mesma escultura numa das ruas de Gamla Stan e almoçámos na praça principal – cujos preços da comida são aceitáveis (o que nos fazem sentar) mas depois cobram 7€ por cada garrafinha de água… Mas pelo menos comemos as típicas almôndegas suecas e abrigámo-nos precisamente quando caiu uma carga de água.

Depois do almoço apanhámos o barco para ilha dos museus pois queríamos visitar o museu Vasa. Este museu alberga uma nau em muito bom estado pois nunca chegou a sair de Estocolmo. Foi mandada construir pela dinastia Vasa para mostrar todo o poder que tinham, mas ao ser mal dimensionada afundou 20min depois de sair do porto. Como as águas de Estocolmo não são muito salgadas, o barco manteve-se em óptimas condições. Trezentos anos depois de afundar foi localizado e extraído por inteiro do fundo do mar. Um edifício que vale totalmente a pena visitar!

Finalmente fomos até ao Skansen, um museu ao ar livre (mais jardim zoológico) das construções típicas da Suécia ao longo do tempo e onde também iria ser a noite Walpurgis. Com o clima ameno estivemos a tarde toda a passear por este belo parque, entretidas com as várias construções e especialmente a flora: renas, alces, ursos, lobos, pavões. Adorámos!

E quando começou a escurecer toda a gente se reuniu na praça principal onde já se cantava até estar escuro o suficiente para se acender a maior fogueira que alguma vez vi, a brilhar em frente a tantas bandeiras suecas! Tive pena de não saber o que se cantava, mas era lindíssimo!

Regressámos finalmente ao hotel, 13 horas depois de o deixarmos, provavelmente a estadia que mais aproveitei de todas!