Quando a minha irmã e eu éramos mais novas o meu pai costumava todos os anos fazer uma viagem de Verão em família. Em 2011 fomos à Rússia, visitando Moscovo e São Petersburgo. Muita gente diz que São Petersburgo é mais bonita que a capital, mas eu preferi Moscovo, talvez por ser mais solarenga ou por ser, de facto, mais bonita.
A Rússia é muito diferente do que nós estamos habituados na Europe. É verdade que eu não conheço muitos países da Europa de leste, mas aqueles que visitei (Polónia e Letónia) eram algo diferentes! Viajámos com a Viagens Abreu por isso já tínhamos toda a viagem planeada à partida. O meu pai escolhe quase sempre viajar com eles, para quatro pessoas pode ficar mais barato, uma vez que muitas refeições já vêm incluídas e não há muitos extras a ser pagos – só se quisermos fazer uma excursão que não está incluída no pacote original, mas que já se sabe à partida quais são.
Dia 1
O voo foi com escala em Paris, uma vez que não havia voos directos entre Lisboa e Moscovo. Para entrar no país é necessário um visto de turismo que qualquer pessoa pode ter, desde que pague as taxas altíssimas (de 70 a 105€ por pessoa), não se esqueçam de contar com este custo extra quando estiverem a fazer as contas de quanto vão custar as férias!
Dia 2
A primeira coisa que fizemos foi visitar a Praça Vermelha, onde tivemos a oportunidade de visitar as catedrais de Kazan e de São Basílio, com as suas cúpulas coloridas, ver o Mausoléu de Lenin, o Museu Estatal de História e ainda o centro comercial GUM.
Quando se viaja com a Abreu há sempre visitas incluídas a lojas de souvenirs ou negócios de artesanato típico. Obviamente não somos forçados a comprar nada, só conhecemos o que é produzido localmente e geralmente eles oferecem comida e bebidas tradicionais, o que é sempre óptimo!
Durante os dias que estivemos em Moscovo vimos centenas de noivos a passear nas suas limousines. O nosso guia explicou-nos que quase todos os russos se casam antes dos 25 anos, apenas porque adoram a festa, e que a Rússia, por causa disso, é um dos países com uma taxa de divórcio mais alta. À tarde visitámos o Kremlin e as suas catedrais, dos conjuntos artísticos mais impressionante do mundo, uma cidade dentro de outra.
Depois do Kremlin tínhamos o resto da tarde livre e a Nastya, uma amiga minha russa, estava à minha espera para eu ir com ela até ao parque perto de sua casa, perto do metro de Kolomenskaya onde assisti a algumas cerimónias ortodoxas e depois em casa dela ela deu-me a provar alguns doces russos, muito bons!
Dia 3
Começámos o nosso tour na Catedral de Cristo o Salvador, construção que demorou 40 anos (1839-1883) e que passou por várias fases de construção e destruição, tendo sido totalmente reconstruída de acordo com o traçado original. Tem capacidade para mais de 10.000 pessoas e é considerada uma das mais belas catedrais do país. Daí caminhámos até à Arbatskaya (rua Arbat), a rua mais comercial de Moscovo.
Tínhamos a tarde livre por isso a Nastya veio ter connosco novamente e levou-nos a conhecer o metro, uma das coisas mais interessantes da capital russa (e super barata, apenas um bilhete de metro!). Inaugurado em maio de 1935, símbolo soviético do poder tecnológico e industrial, o Metro de Moscovo era o “Palácio do Povo”. Na sua decoração participaram alguns dos mais conceituados artistas da época. Se não tiverem um guia, só entram e saiam em todas as estações, que elas são todas espectaculares e é impressionante ver como elas estavam preparadas para servir como bunkers durante a guerra, que sobreviveriam até a bombas nucleares!
À noite fizemos um tour extra para ver as luzes de Moscovo (se está a viajar com a Abreu em vez de fazer o tour vá apenas à Praça Vermelha, que é o que vale mesmo a pena, e assim poupa dinheiro).
Dia 4
Tínhamos a manhã livre, por isso decidimos procurar um restaurante para comer salada russa, que descobrimos que na Rússia se chama “salada americana”! À tarde apanhámos o comboio para São Petersburgo, de que escreverei num próximo post.